logoNova017

 

INTRANET | WEBMAIL
       21 3138-1179   -  aemerj@aemerj.org.br
 Rua Marques de Abrantes 99, 1º andar  
Flamengo  CEP - 22230-060

boletimInformacao

AEMERJ participa da entrega dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica em Itaocara


Fala do Prefeito Manoel Queiroz Faria.

A Secretaria de Estado do Ambiente - SEA, a Associação Estadual de Municípios do Rio de Janeiro - AEMERJ e o Instituto de Estudos da Religião - ISER, entregaram na manhã do dia 20 de outubro, os Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica, a 14 municípios do Noroeste fluminense, todos representados em evento no Prédio Administrativo da Cidade de Itaocara.


Deputado André Corrêa discursando

Os Planos vêm sendo realizados, de forma regionalizada, no estado do Rio de Janeiro, pelo arranjo institucional composto pelo governo e essas instituições.

Entre os presentes o Deputado Estadual André Corrêa e os prefeitos Agnaldinho, de Cambuci; Gilson Nunes Siqueira, de Cardoso Moreira; Margareth Soares, de Italva; Clóvis de Barros, de Miracema; Silvestre Gorini, de Varre-Sai; Josias Quintal, de Santo Antônio de Pádua; Marcionilio Moreira, de São Jose de Ubá e do anfitrião Manoel Queiroz Faria.

A crise hídrica e os Planos da Mata


Agnaldinho, Prefeito de Cambuci

Num momento dramático, quando 10 municípios estão em estado de emergência por conta da seca e da queimada no Noroeste fluminense, os Planos são uma ferramenta importante para gestores e cidadãos no planejamento e ação para proteção do Bioma Mata Atlântica, característico na região, como nos falou o prefeito Agnaldinho, crescentando:

“No nosso município estamos enfrentando uma seca de quase dois meses. Atualmente mesmo com todo o trabalho de reflorestamento de nascentes, de termos uma reserva florestal com 4.400 hectares, do trabalho de conscientização da nossa Secretaria de Educação com proprietários e pequenos produtores rurais, ainda não foi o suficiente pra evitar essa calamidade da seca seguida do fogo. Por isso eu creio que o lançamento dos Planos nesse momento, é mais que oportuno”.

A crise hídrica também tem origem na má conservação das nascentes e os dados contidos nos estudos e orientações dos Planos, fortalecem políticas públicas e boas práticas de conservação.